TRAÇOS DE LUZ  | EXPOSIÇÃO E INSTALAÇÃO

SOCIEDADE NACIONAL DE BELAS-ARTES | 21 a 30 de março de 2019 | Dias úteis, das 12h:00 às 19h:00. E sábados das 14h:00 às 20h:00

Inauguração: quinta 21, às 18:30

Uma exposição inserida no Festival de Animação de Lisboa |MONSTRA 2019 em parceria com a Sociedade Nacional de Belas Artes, integra 4 mostras independentes que nos proporcionam múltiplos olhares sobre a arte da animação, através da obra de: Regina Pessoa e Abi Feijó; Pierre Hérbert; Miguel Pires de Matos e  ainda uma belíssima homenagem ao grande cineasta – Norman McLaren. 

ANOS DE ANIMAÇÃO DE ABI FEIJÓ E REGINA PESSOA

Esta exposição é uma viagem pelo trabalho de Abi Feijó e Regina Pessoa, dois animadores portugueses apaixonados pelo cinema. Ambos os animadores desenvolvem o seu processo de criação em busca de luz, através da areia e da gravura em gesso ou papel. Os seus métodos são artesanais, embora às vezes misturados com o digital, mas sem descuidar o acabamento poético e expressivo. As suas obras  têm uma grande projecção internacional, obtendo inúmeros prémios e são uma referência da animação portuguesa. A exposição reúne os originais e materiais da produção dos filmes: “Os Salteadores”, “Clandestino”, “Fado Lusitano”, “A noite”, “História trágica com final feliz” e “Kali”, bem como numerosos brinquedos pré-cinematográficos, provenientes do seu próprio museu – a Casa Museu Vilar -, com os quais os espectadores podem experimentar a imagem em movimento.

‘OS 4 ESTADOS DA MATÉRIA’ – MIGUEL PIRES DE MATOS

Esta exposição revela-nos alguns objetos e engenhos usados para produzir o filme ‘Os 4 Estados da Matéria’, de Miguel Pires de Matos que estreou no festival MONSTRA, na edição de 2018 e que foi vencedor na competição portuguesa do 42.º CINANIMA. Trata-se de um filme de animação experimental, cujo tema principal é a matéria, e que se desenvolve em 4 atos /andamentos, cada um deles formado por um universo gráfico e sonoro distinto, constitui uma viagem abstrata pelos quatro principais estados da matéria: sólido, líquido, gasoso e plasma.

TRIBUTO A NORMAN MCLAREN

 

Produzida e criada por Marc Bertrand, National Film Board of Canada, esta instalação presta homenagem ao realizador escocês Norman McLaren. Envolve a projeção de quatro filmes realizados ao longo da sua carreira: “Estrelas e Riscas/ Stars and Stripes”, “Esferas/ Spheres”, “Synchromy” e “ Begone Dull Care”. Esta instalação demonstra o esforço constante de McLaren para alcançar uma simbiose entre som e luz. O resultado de cada uma destas quatro projeções foi criado a partir de um único segmento de película. Este segmento foi depois reproduzido seis vezes, simetricamente, criando assim um efeito-espelho. No final, já dentro deste ambiente simétrico, os quatro filmes serão projetados num loop contínuo em quatro superfícies de projeção idênticas, enquanto vibram ao som da música de acompanhamento.

SCRATCH TRIPTYQUE – PIERRE HÉBERT

Uma instalação de animação sobre película, do canadiano Pierre Hébert constituída por 3 monitores num tríptico animado.

Entre 1976 e 1999, a técnica de animação de raspar diretamente a película foi o centro do trabalho cinematográfico de Pierre Hébert. Em 2000, abandonou-a para abraçar o digital, convencido de que nunca voltaria atrás. O decurso das coisas mostrou-lhe que se enganara. Como não queria simplesmente recomeçar  onde tinha parado, opta por um processo evolutivo para redefinir a abordagem a esta técnica. Este trabalho é articulado à volta da ideia de «polifonia de faíscas». A ideia de polifonia é primeiramente desenvolvida ao nível de uma sucessão de frames discretos nos quais diferentes intensidades de faíscas se sobrepõem à imagem criando padrões rítmicos complexos. Esta ideia também fica expressa através da justaposição de três ecrãs, nos quais loops de diferentes durações se repetem. O resultado é um atraso constante entre os três componentes e uma recomposição constante entre as imagens e os sons.

A instalação é complementada com um concerto ao vivo de Pierre Hebert e Fernando Mota na quinta feira, 28 de Março, no Cinema São Jorge, às 23 horas.

 

EQUIPA:

Curadoria: Fernando Galrito

Conceção Geral: Bernardo Sarmento

Produção: Marta Lopes

Montagem: Bernardo Sarment, Marta Lopes,Sandra Ramos,Eliane Gordeef, Sebastião Carvalho,Cláudia Ciniglio

Instalação técnica: APRESTOS

Sociedade Nacional de Belas Artes: Rui Penedo, Paulo Vinagre, Luís Serra