Apresentação de Livros  

 

Cinema São Jorge | Sala 2
DOMINGO 24 DE MARÇO 16:00 hs.

ELIANE GORDEEFF, SÁVIO LEITE, JOSÉ-MANUEL XAVIER  e WILSON LAZARETTI

 

Apresentação dos livros:

“Aesthetic Inteferences | Interferências Estéticas: A Técnica Stop Motion na Narrativa de Animação”, de Eliane Gordeeff

“Diversidade na Animação Brasileira”, de Sávio Leite

“Poética da Ilusão de Movimento”, de José-Manuel Xavier

AESTHETIC INTERFERENCES | INTERFERÊNCIAS ESTÉTICAS:
A Técnica Stop Motion na Narrativa de Animação
De: Eliane Gordeeff

Este livro vem propor um olhar analítico sobre a Animação, em especial o Stop motion. Este livro não pretende registar questões históricas ou técnicas, mas analisar algumas animações, a partir da sua identidade como obras criativas e não digitais. Como obras em Stop motion, é analisado como a materialidade da técnica influi na informação visual complementando e auxiliando às suas narrativas, com o olhar sobre cinco curtas-metragens de animação: Vizinhos (1952, de Norman McLaren), De Janela pro Cinema (1999, de Quiá Rodrigues), O Velho e o Mar (2000, de Alexander Petrov), Adágio (2000, de Garri Bardin) e Ária (2001, de Piotr Sapegin). As análises foram feitas a partir dos conceitos da semiótica, do simulacro, do cinema, do teatro, da narrativa e da teoria da comunicação. Assim foi possível constatar como a expressividade pode ser apresentada através do uso físico, representativo e/ou simbólico do material (ou objeto) utilizado na elaboração da imagem, na produção de uma narrativa de animação. E como a variedade estética dessas formas de animar interfere definitivamente no resultado final do trabalho, muitas vezes contribuindo visualmente para “contar a história. O objetivo de mostrar ao público geral, a beleza e o universo da Animação Stop motion, e ao mesmo tempo, proporcionar aos animadores, estudantes, professores e pesquisadores do meio, um outro ponto de vista sobre a Arte animada.

DIVERSIDADE DA ANIMAÇÃO BRASILEIRA
Org. de Sávio Leite

O Brasil, um país de dimensões continentais apresenta uma produção diversa e multifacetada dessa arte. Sávio Leite, organizador do livro reforça: “ A intenção da publicação foi mapear no Brasil o que de mais significativo se produziu em termos de cinema de animação com a preocupação de abranger todo o território nacional e lançar uma luz para vários realizadores brasileiros. A animação brasileira vive uma boa fase com a produção de longas metragens premiados em importantes festivais internacionais como ‘ O menino e o mundo’ de Alê Abreu e o ‘ Uma história de Amor e Fúria’ de Luiz Bolognesi.
O livro traz textos de Erika Savernini e Laryssa Prado (MG), Eliane Gordeeff (RJ/Portugal), Maurício Gino (MG), Fernando Ferreira Garróz (SP), Fábio Belotte (MG) e Marcos Buccini (PE), cada um analisando diversos aspectos da animação brasileira e suas especificidades. O livro ainda traz entrevistas com 8 expoentes da animação brasileira contemporânea, com um recorte na diversidade da produção independente. Depoimentos de Lisandro Santos (RS) , Fábio Yamaji (SP), Wesley Rodrigues (GO/Argentina), Andrés Lieban (RJ), Marta Machado (SC/SP), Rosária Moreia (ES), Carlos Eduardo Nogueira (SP) e Rubens Francisco Luchetti (SP). Um amplo painel da melhor produção e de seus autores.

POÉTICA DA ILUSÂO DE MOVIMENTO
De: José Manuel Xavier
(Edição Brasileira Coord. Wilson Lazaretti)

“A arte da animação, não se encerra arrazoados de técnicas, princípios básicos e mandamentos. Por isso é extremamente necessário introduzir-se à filosofia da animação, que aqui começa com a obra POÉTICA DO MOVIMENTO, um dos primeiros livros sobre a fase mais importante que deve nortear o animador antes, durante e depois da realização da sua obra. Nela, José Manuel Xavier propõe tanto as questões, quanto as respostas. As perguntas e respostas, encontramos nas entrelinhas desta sua obra. Talvez as mais importantes, ou mais precisamente, aquelas que não sabemos perguntar, por se tratar justamente de uma poética do movimento. Vale muito a pena a prática da leitura suspensa, como diria José Saramago, pois é o que há de mais sensível numa obra de arte. Ela fica em nossas mentes, os demais processos vão se embora. O grande aliado de José Manuel Xavier é Fernando Pessoa, que não foi animador, mas o seria num quinto heterônimo, porque nele estava a poética da qual estamos falando e que será durante a leitura deste livro, confirmada pelo leitor. A arte da animação está intrinsecamente ligada à natureza humana desde os primórdios do nosso despertar como seres humanos. A prática da arte da animação tem muitas curiosidades, pois quando pensamos que estamos isolados em nosso cantinho, aparece do outro do lado do Atlântico, praticando algo de brilhante, um divertido animador que nos faz pensar sobre aquilo que próprio fazemos. Foi assim e sempre o será, pois estamos tratando das coisas eternas, ou seja, de Poesia.“ Wilson Lazaretti